terça-feira, 23 de julho de 2013

nós amamos estar infelizes

Não direi, pois não é assim que eu penso. Poderia ter dito, porque dissimulo com naturalidade e com certa frequência. Mas a essa eu não poderia ter dito e fiz bem em não dizer. Ao menos ainda não me arrependi de não tê-lo dito. Sabe. A felicidade é algo tão frágil. Ou talvez todas as emoções sejam.

Venho refletindo a vida esses dias, sem o auxílio de livros concentrados de filosofias existenciais ou frases estimulantes ao intelecto cada vez mais recheado de depressões, neuroses e pânicos.

E a cada dia que passa eu só penso que deveria ler mais estes tais livros, sentir meu paladar gozando com os prazeres das comidas e dos cafés, ficar sozinha e assistir filmes, aprender física! Química, quiçá. Mas acabo por apenas pensar em fazer tais coisas que eu deveria estar fazendo, pois sou inerte. Não consigo me mover, consigo apenas escrever e desenvolver uma tendinite aguda. E me corresponder com as minhas loucuras reais (ou imaginárias) esperando ansiosa por suas respostas. Eu as amo demais! E talvez apenas venha a amá-las em vida. 

Tenho descoberto sentimentos horríveis em mim mesma e ainda assim estes não me desagradam, o que me remete a essa indiferença terrível e má. Cruelmente má. Deliciosamente má. Indiferença tão perigosa que me excita. Eu só quero viajar, fumar quantos cigarros eu quiser, dar pra todos os caras que eu quiser, ler uns livros, escrever em cadernos, em toadas dos livros de Nietzsche, beijar estranhos e rir numa língua diferente. Não sei, eu tenho toda essa sede e todos esses baldes d'água que não são suficiente. Nunca sou o suficiente.

Ainda não estou pronta para os discursos da vida. Mas sei que do modo como minha humanidade está caminhando, eu me distanciarei ao máximo da sociabilidade proposta. Me exilar em canções, sambas, talvez, gostos diferentes, livros, descobertas. Usar da obrigação uma paixão de descobrir... Embora eu seja tão distraída constantemente pela minha ansiedade. Veremos onde minha criatividade me leva... se é que me levará a algum lugar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário