segunda-feira, 26 de maio de 2014

exageradamente

parei de fumar
agora rezo pra orixá
você me fez menina direita
e nem me atrevo a desviar
do teu corpo
nem da tua prosa
que me faz arrepiar
encolhida nos varais de cordéis
dos teus encantos
eu me permito alucinar
com a tua voz a sussurrar no meu ouvido
que você quer me ver gozar
eu vou te fazer contente
quando eu puder te acordar
com a sua boca entre os meus dentes
e te ajudando a despertar
com a proposta indecente
a rouca intenção de te amar
eu vou me acolhendo nos teus braços
absorvida pela tua pele suada
até encontrar o teu cansado coração
onde me deixo morar
desarrumando tuas bagunças
aprendendo a descansar.

exageradamente,
os teus gestos ao dedilhar
a tua trêmula boca ditadora
a tua tirania me faz salivar
e dilata minhas noites ao se prolongarem
cifradas em saudade
dispostas em mais pausas pautadas
do que em ruídos de acordes violentos
do teu violão desafinado e inseguro
quero violar as tuas roupas com manchas do meu corpo
e descansar os meus músculos na tua cama
como que, exageradamente,
você fosse me amar
apenas por me desejar,
irreversivelmente,
para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário