quarta-feira, 7 de maio de 2014

minha nega

eu abdiquei da minha vida noturna
dos bares
olhares
cores
sabores
amores
carnes
vícios
pra nada

eu encontrei minha nega!
mas ela não tem dó de mim
não chora
não ama
só samba
e se esquece de mim

eu abdiquei da minha vida noturna
mas ela se abdicou de mim
e eu vivo por aí à fora
sempre esperando pelo fim
[da cachaça]

às vezes ela me acha
me procura por um cigarro,
pinta meu filtro de vermelho
prende os cabelos negros
e não volta nunca mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário